Textos :  A Família ao Lado(Curta 2)
A Família ao Lado(Curta 2)
A Família ao Lado





Curta Metragem VII




Fade in:


Créditos Iniciais



Os Créditos deverão mostrar imagens de famílias em todas as situações possíveis: Alegria, luta, conflito, amor, etc.



1. Casa de Miguel/Sala. Int. Noite




Miguel, um homem de 23 anos está assistindo televisão com seus dois irmãos: Clara(7) e Henrique(12). Eles assistem um desenho animado.



Miguel- Vocês veem o quanto há de violência nos desenhos?



A CAM mostra o detalhe de um desenho batendo em outro.



​ Clara- Mas os desenhos são assim mesmo. Você não vai ficar implicando igual a mamãe, vai?



​Miguel- Não, mas eu me preocupo com o que vocês vêem.



Vemos na tv os desenhos batendo um no outro.



Miguel- O que vocês querem comer?



Henrique- Eu quero Sucrilhos com iogurte!



Miguel- E você, Clara?



Clara- O mesmo!




Miguel levanta do sofá. Ele vai até a cozinha.





2. Cozinha na casa de Miguel.Int. Noite



Miguel pega o sucrilhos no armário. Ele então pega duas tigelas limpas na pia. Ele pega o iogurte na geladeira. Ele coloca o sucrilhos da caixa nas tigelas e mistura com o iogurte. Ele pega as tigelas e leva até a sala.





3. Sala na Casa de Miguel. Int. Noite




Miguel entra na sala. Os seus dois irmãos continuam assistindo televisão hipnotizados por ela.



Miguel- Aqui está o que pediram.



Ele coloca as duas tigelas na frente de Henrique e Clara. Eles comem o sucrilhos.



Clara- Miguel, vem assistir desenho conosco.


Henrique- É Miguel. Você não gosta mais de desenhos?



Miguel- Gosto, mas agora vou ali e já volto.



Corta para:



4. Jardim na Casa de Miguel. Ext. Noite




Miguel vai até o jardim. No jardim há uma espécie de mureta que vai para a casa do vizinho.



Corta para:



5. Sala da casa ao lado.Int. Noite




Um homem chamado Cláudio está lendo o jornal. Uma menina chamada Amanda desce as escadas.



Amanda- Papai, eu gostaria tanto de conversar hoje com o Miguel.



Cláudio- Você já fez seus deveres hoje?



Amanda- Todos. Um por um, eu fiz. Posso falar com ele?



Cláudio- Ah, Amanda, você poderia ficar aqui. Ele está lá com os irmãos cuidando de cada um deles.



Amanda- E você sabe o quanto eu gosto de estar perto dos irmãos dele.



Cláudio- Deixo ir se me prometer que não vai voltar tarde.



Amanda- Não voltarei, papai. Fique tranquilo que estarei aqui antes das onze.



Cláudio- Pode ir então.



Amanda se aproxima de Cláudio e o beija na face. Ele fica todo vermelho.



Corta para:


6. Jardim da casa de Miguel. Ext. Noite


Amanda acaba pulando a mureta que separar as duas casas.





​Miguel- Achei que ia passar a noite toda cuidando de meus irmãos e vendo desenhos.


Amanda- Não se depender de mim.(Ela vai até ele e o beija no rosto).



Miguel- Quer entrar ou deseja ficar um pouco aqui no jardim?



Amanda(Esfrega as mãos)- Desejo entrar. Estou morrendo de frio.





​Miguel- Vamos, então.




Miguel e Amanda vão para dentro da casa.




​ ​7. Casa de Miguel/Sala. Int.Noite


Amanda e Miguel entram na sala. Os irmãos de Miguel ainda assistem TV e comem sucrilhos.




​Miguel- Viu, Amanda? É isso que tenho que ver quase todos os dias. Os meus dois irmãos na TV direto.


Amanda-Ah, Miguel, não reclama. Eles são crianças. É natural que aconteça isso.





​Clara se volta para Miguel.




​Clara- Miguel, onde você estava, meu irmão?




​Miguel- Estava conversando com a Amanda. Não vão dizer oi a ela?




Henrique e Clara(olhando a TV)- Olá, Amanda.



Miguel(a Amanda)- Não quer ir para o meu quarto?



Amanda- Seria melhor. Eles não vão nos dar nenhum pouco de atenção com a TV ligada.




Miguel- Vamos. Eles estão hipnotizados demais para nos dar algum tipo de atenção.




Miguel e Amanda saem da sala. Close na televisão mostrando um desenho do Picapau. Clara e Henrique continuam assistindo televisão. Ouvimos um toque de telefone, mas Clara e Henrique não percebem.




Créditos Finais




Fim
Poeta

Textos :  A Família ao Lado(Curta 1)
A Família ao Lado(Curta 1)
A Família ao Lado





Curta Metragem VII




Fade in:


Créditos Iniciais



Os Créditos deverão mostrar imagens de famílias em todas as situações possíveis: Alegria, luta, conflito, amor, etc.



1. Casa de Miguel/Sala. Int. Noite




Miguel, um homem de 23 anos está assistindo televisão com seus dois irmãos: Clara(7) e Henrique(12). Eles assistem um desenho animado.



Miguel- Vocês veem o quanto há de violência nos desenhos?



A CAM mostra o detalhe de um desenho batendo em outro.



​ Clara- Mas os desenhos são assim mesmo. Você não vai ficar implicando igual a mamãe, vai?



​Miguel- Não, mas eu me preocupo com o que vocês vêem.



Vemos na tv os desenhos batendo um no outro.



Miguel- O que vocês querem comer?



Henrique- Eu quero Sucrilhos com iogurte!



Miguel- E você, Clara?



Clara- O mesmo!




Miguel levanta do sofá. Ele vai até a cozinha.





2. Cozinha na casa de Miguel.Int. Noite



Miguel pega o sucrilhos no armário. Ele então pega duas tigelas limpas na pia. Ele pega o iogurte na geladeira. Ele coloca o sucrilhos da caixa nas tigelas e mistura com o iogurte. Ele pega as tigelas e leva até a sala.





3. Sala na Casa de Miguel. Int. Noite




Miguel entra na sala. Os seus dois irmãos continuam assistindo televisão hipnotizados por ela.



Miguel- Aqui está o que pediram.



Ele coloca as duas tigelas na frente de Henrique e Clara. Eles comem o sucrilhos.



Clara- Miguel, vem assistir desenho conosco.


Henrique- É Miguel. Você não gosta mais de desenhos?



Miguel- Gosto, mas agora vou ali e já volto.



Corta para:



4. Jardim na Casa de Miguel. Ext. Noite




Miguel vai até o jardim. No jardim há uma espécie de mureta que vai para a casa do vizinho.



Corta para:



5. Sala da casa ao lado.Int. Noite




Um homem chamado Cláudio está lendo o jornal. Uma menina chamada Amanda desce as escadas.



Amanda- Papai, eu gostaria tanto de conversar hoje com o Miguel.



Cláudio- Você já fez seus deveres hoje?



Amanda- Todos. Um por um, eu fiz. Posso falar com ele?



Cláudio- Ah, Amanda, você poderia ficar aqui. Ele está lá com os irmãos cuidando de cada um deles.



Amanda- E você sabe o quanto eu gosto de estar perto dos irmãos dele.



Cláudio- Deixo ir se me prometer que não vai voltar tarde.



Amanda- Não voltarei, papai. Fique tranquilo que estarei aqui antes das onze.



Cláudio- Pode ir então.



Amanda se aproxima de Cláudio e o beija na face. Ele fica todo vermelho.



Corta para:


6. Jardim da casa de Miguel. Ext. Noite


Amanda acaba pulando a mureta que separar as duas casas.





​Miguel- Achei que ia passar a noite toda cuidando de meus irmãos e vendo desenhos.


Amanda- Não se depender de mim.(Ela vai até ele e o beija no rosto).



Miguel- Quer entrar ou deseja ficar um pouco aqui no jardim?



Amanda(Esfrega as mãos)- Desejo entrar. Estou morrendo de frio.





​Miguel- Vamos, então.




Miguel e Amanda vão para dentro da casa.




​ ​7. Casa de Miguel/Sala. Int.Noite


Amanda e Miguel entram na sala. Os irmãos de Miguel ainda assistem TV e comem sucrilhos.




​Miguel- Viu, Amanda? É isso que tenho que ver quase todos os dias. Os meus dois irmãos na TV direto.


Amanda-Ah, Miguel, não reclama. Eles são crianças. É natural que aconteça isso.





​Clara se volta para Miguel.




​Clara- Miguel, onde você estava, meu irmão?




​Miguel- Estava conversando com a Amanda. Não vão dizer oi a ela?




Henrique e Clara(olhando a TV)- Olá, Amanda.



Miguel(a Amanda)- Não quer ir para o meu quarto?



Amanda- Seria melhor. Eles não vão nos dar nenhum pouco de atenção com a TV ligada.




Miguel- Vamos. Eles estão hipnotizados demais para nos dar algum tipo de atenção.




Miguel e Amanda saem da sala. Close na televisão mostrando um desenho do Picapau. Clara e Henrique continuam assistindo televisão. Ouvimos um toque de telefone, mas Clara e Henrique não percebem.




Créditos Finais




Fim
Poeta

Textos :  O Eremita Hindu(Sketch 30)
O Eremita Hindu(Sketch 30)
O Eremita Hindu














A cena se passa nas florestas da Índia, no século 15.







Cena Única





Um eremita hindu está meditando. Ele se chama Visvakarma. Vemos então aparecer repentinamente um ser de quatro braços, é a forma de Vishnu. Visvakarma para de meditar diante de presença de Vishnu.







Visvakarma- Meu Senhor Krishna, os meus desejos foram atendidos. Eu posso finalmente ver vossa forma eterna.





Vishnu- Visvakarma, você tem meditado em minha forma eterna por mais de vinte anos. E também tem procurado saber o futuro deste planeta. Eu vos direi agora o que precisa saber.





Visvakarma- Meu Senhor Vishnu, é uma honra receber tal informação.





Vishnu- Saiba, Visvakarma, que minha última encarnação neste planeta não será física.





Visvakarma- Não entendo, meu senhor. Você não descerá a este mundo.





Vishnu- Não em forma corpórea. Eu virei como uma consciência tão poderosa que muitos sentirão. Virei como um fogo abrasador para varrer toda a escuridão que se esconde neste mundo e tanto tem prejudicado este mundo.





Visvakarma- Nós o esperamos em forma corpórea, meu senhor. Me diga como saberemos que o senhor está presente.







Vishnu- Este mundo me sentirá pelo coração e não pela mente. Apenas o coração do homem pode realmente me sentender, oh grande Visvakarma.





Visvakarma- Meu senhor, permita que eu possa estar nessa época presente neste mundo para que eu possa ver vosso retorno.





Vishnu- Você estará aqui neste mundo. Você ajudará em minha missão de limpar a terra de todo o mal.





Visvakarma- Será uma honra para mim realizar penitências e sacrifícios em vossa hnora, meu senhor Vishnu.







Vishnu- Você tem feito isso por muito tempo. Você é dum dos meus mais fiéis devotos.







Visvakarma- Sim, meu senhor. Para mim é um deleite meditar em vossa presença.







Vishnu- Saiba também, oh Visvakarma, que após o período de purificação da Terra, todos aqueles que passaram por essa Terra para disseminar o dharma estarão de volta em forma corpórea.





Visvakarma- Tudo isso é maravilhoso, meu Senhor Vishnu.





Vishnu- Visvakarma, continue meditando em minha forma espiritual. Você alcançará a libertação fazendo isso.







Visvakarma- Assim o farei, meu senhor.





Vishnu desaparece da vista de Visvakarma. Visvakarma começa a chorar copiosamente.





Visvakarma- Preciso contar essa aparição ao meu mais dileto amigo.





Visvakarma sai pela direita. Ouvimos o chilrear dos pássaros. O pano desce rapidamente.







Fim
Poeta

Textos :  Sol/Netuno
Sol/Netuno
Sol\Netuno

Poetas, dançarinos de balé. Boêmios, fantasia, magos. A vida é um sonho. Misturando-se com a música. Pintores. Misturando-se com a espiritualidade. Misturando-se com o místico. Ilusões. Decepções. Possuindo uma vida poética. Possuindo uma vida de fantasia. Romantismo+ Espiritualidade. Renascimento. Hábitos artísticos. Dança. Teatro. Crescimento espiritual. Misturando-se com a água. Difusão. Alcoolismo. Vício em drogas. Escapismo. Difusão+ Imaginação. Imaginação profunda como o mar. Compreensão profunda do mundo espiritual. Idealistas. Pessoas que lideram novos caminhos de olhar para o Supremo. Idealização. Sonhos+fantasias+visões. Mitologia clássica. Visões estranhas. Pensamentos estranhos. Paranormalidade. Esquizofrenia. Misturando-se com pessoas espirituais. Atração à santidade. Santos. Gurus. Dervixes. Pessoas "angelicais". Atração à símbolos sagrados. Atração à santos. Atração à arte religiosa. Nossa Senhora. Música aquática. Música+profundidade. Refinamento+sensibilidade.
Poeta

Textos :  O Sedutor Italiano(Sketch XXIX)
O Sedutor Italiano(Sketch XXIX)
O Sedutor Italiano










A cena se passa em Trieste, no ano de 1879.







Cena Única






Uma taverna bem movimentada com pessoas fumando e bebendo largamente. Um homem chamado Alessio está sentado ao lado de uma mulher ruiva chamada Luciana.









Alessio- Você é uma das mulheres mais lindas que eu já vi, sabia?(Alessio sorri para Luciana).







Luciana- Aposto que você diz isso para todas.







Alessio(sorriso sedutor)- Claro que não, bella Luciana. Você é a única que eu disse isso.







Luciana- Ouço falar muito que você é um dos sedutores mais exímios de Trieste.









Alessio- Mentiras e blasfêmias. Eu apenas sou muito gentil.







Luciana( sorri satisfeita)- Sério?









Alessio- Claro, minha querida(Alessio coloca a mão esquerda no ombro nu de Luciana).







Luciana- Eu nunca gosto muito de homens sedutores. Acho meio vulgar, sabe?









Alessio- Mas a sedução é uma arte milenar, caríssima.









Luciana- Eu sei, mas é como se o homem estivesse sendo um predador, entende?







Alessio- Entendo. Mas eu jamais seria assim com você(Alessio passa a mão no rosto de Luciana).







Luciana- Você fala isso, mas as suas atitudes estão dizendo o contrário.







Alessio(tira a mão do rosto de Luciana)- estou sendo apenas cordial, amigo, gentil. Não gosta?









Luciana- Nem gosto, nem desgosto.







Alessio- Aposto que você está gostando, belíssima Luciana. Sabe, não é ruim demonstrar um pouco de afeto.









Luciana- Não estou acostumada a isto. Para mim é como se fosse uma invasão ao meu corpo.









Alessio- Tente ser menos repressiva, Luciana. Afinal, estamos em um lugar com uma atmosfera mais relaxada.









Luciana- relaxada e totalmente enevoada. Olha essa fumaça toda que circula no local por causa dos fumantes.









Alessio- Se quiser, podemos ir a outro lugar.









Luciana- Não, estou muito bem aqui.







Alessio faz um gesto a um garçom e fala em seu ouvido. O garçom pega um grande copo de cerveja e entrega a Alessio.







Alessio- Não vai beber nada, Luciana?







Luciana- Depois. Por agora eu quero apenas ficar vendo as pessoas beberem.







Alessio- Você realmente precisa relaxar(Dá um gole no copo de cerveja).







Luciana- Sim, eu também acho, mas hoje está difícil, entende?







Alessio- Sei como é. Tem dias que estou igual a você.







Luciana- E o que faz para mudar isso?







Alessio- Ouço música, saio com os amigos, vou nadar no clube, são muitas atividades que faço quando estou menos contente comigo mesmo.









Luciana- Acho muito difícil imaginar você menos contente.









Alessio- Mas eu fico assim.







Luciana olha fixamente para Alessio.







Luciana- Me espera por uns dez minutos? Preciso ir ao banheiro e retocar a maquiagem.







Alessio- Claro. Pode ir.









Luciana sai pela esquerda. Alessio fica olhando o lugar e bebendo. Uma mulher loira senta um pouco afastada de Alessio. Ele sorri e diz algo baixo. A mulher fica interessada no que ele fala. O pano desce com Alessio conversando com a mulher loira.









Fim



Poeta

Textos :  Sangue na Janela(Sketch XXVIII)
Sangue na Janela(Sketch XXVIII)
Sangue na Janela



s



A cena se passa no Brasil. Data: 1976.









Cena Única









Um quarto com mobília no estilo espanhol. Vemos as ombreiras da janela totalmente vermelhas. Um homem chamado Fabrício está sentado na cama.









Fabrício- Fiz como o meu mentor me disse em um sonho. Que eu ficaria protegido se passasse sangue nas ombreiras da minha janela toda sexta-feira.









Fabrício se levanta, vai até a janela e passa a mão na janela. Os dedos dele ficam sujos de sangue.









Fabrício- Sangue. Algo que me dá medo, mas eu preciso fazer isso.







Fabrício limpa os dedos na calça.









Fabrício- Será que isso realmente vai funcionar? Será que estou sendo enganado?









Fabrício olha para fora da janela.







Fabrício- Tenho tanto medo de ser perseguido. Acho que faria qualquer coisa para que isso não acontecesse.









Fabrício mais uma vez passa as mãos na janela que está encharcada de sangue.









Fabrício- Os israelitas fizeram o mesmo que eu fiz. E estavam protegidos. Vou confiar nisso.







Fabrício começa a andar de um lado para o outro. Ele coça a cabeça enquanto anda.







Fabrício- Sangue na janela. Que maneira incomum de ser protegido. Por que não posso apenas pensar e ficar protegido?







Fabrício volta a se sentar na cama.







Fabrício- Será que estou preocupado demais com a minha proteção? Será que estou ficando paranóico?







Fabrício deita na cama. Ele fica olhando para o teto.







Fabrício- Já sei o que vou fazer. Eu vou passar sangue nas janelas da sala. Assim estarei mais protegido.







Fabrício se levanta e pega uma tigela que está em uma escrivaninha com sangue. Ouvimos música triste tocando ao longe. O pano desce rapidamente.









Fim
Poeta

Textos :  Uniforme Prussiano(Sketch XXVII)
Uniforme Prussiano(Sketch XXVII)
Uniforme Prussiano













A cena se passa na Prússia, no ano de 1877.







Cena Única







Vemos um escritório militar com toda sua parafenália. Ao centro do escritório há um uniforme prussiano em um manequim. Ulrich, um jovem prussiano loiro e de olhos azuis está contemplando o uniforme no manequim. Entra Brunhild, sua irmã.







Brunhild- Você não se cansa mesmo de olhar para esse uniforme, não é mesmo?







Ulrich- Não, eu o adoro e o venero com devoção.







Brunhild- Você o vestiu com honra na Guerra Franco-Prussiana. Guerra que os deuses alemães do Valhalla permitiram que ganhássemos.









Ulrich- Sim, mas esse uniforme me chama atenção nas cores.







Brunhild- Sim, as cores dele são lindas mesmo.







Ulrich- E pensar que semana passada eu estava pensando em me desfazer deste uniforme.







Brunhild- Não fale isso, meu caro irmão. Os seus filhos e netos precisarão ver este uniforme prussiano que você usou na França.







Ulrich- É, tem razão, eu mudei de ideia e agora vou mantê-lo sempre comigo.







Brunhild- Papai está preocupado contigo.







Ulrich- Por quê?







Brunhild- Ele diz que você fica muito tempo aqui.







Ulrich- É natural. É onde eu mais me sinto relaxado.







Brunhild- Eu sei. E mamãe também diz que você está pálido demais.







Ulrich- Isso é verdade. A minha palidez realmente está bem acentuada nesses últimos dias.







Brunhild- Então, meu irmão, para que você não fique doente, é preciso sair deste escritório com tantas lembranças valorosas.







Ulrich- Eu vou sair. Só estou muito envolvido estes dias aqui.









Brunhild- Entendo... Bom, tudo que disse é apenas por querer teu bem.







Ulrich (toca o uniforme)- Com este uniforme eu entrei na França, desfilei pela cidade. Ele só me dá honra.









Brunhild sorri satisfeita ao ver o irmão enlevado pelo uniforme.









Ulrich- Mas agora eu preciso comer algo. Você me preparou o strüdel que eu gosto?









Brunhild- Sim, mamãe e papai estão comendo também strüdels.









Ulrich- Preciso comer algo. Vamos, Brunhild, depois contemplamos mais esta beleza que é meu uniforme prussiano de guerra.









Ulrich e Brunhild saem. Ouvimos barulho de flauta e piano sendo tocados. O pano desce rapidamente.









Fim
Poeta

Textos :  Corridas na Sexta-Feira(Sketch XXVI)
Corridas na Sexta-Feira(Sketch XXVI)
Corridas na Sexta-Feira













A cena se passa no Paraguai, em 1987.









Cena Única







Uma sala bem decorada em um estilo bem inovador na casa de Charles. Charles está vestido com um conjunto de esporte de cor lilás. Entra em cena um homem chamado Fernando com um conjunto de esporte de cor vermelha.









Fernando- E aí, Charles, preparado para as corridas de sexta-feira?









Charles- Com certeza. Eu estou sempre pronto para as corridas.









Fernando- Da última vez você correu bastante. Foi uns seis ou sete quilômetros, não?











Charles- Foi uns dez. Aquele dia foi ótimo.









Fernando- Você não comeu nada de pesado, comeu?







Charles- Não, só se eu quisesse passar muito mal. Apoenas tomei uma vitamina para reforçar o corpo.









Fernando- Espero encontrar aquela bela moça que vemos toda a vez que vamos correr.







Charles- Você está realmente caído por essa moça. Não para de falar dela.







Fernando- Mas é claro. Você não reparou como ela é bonita?







Charles- reparei. Mas há muitas mulheres bonitas no mundo.







Fernando(sem entender)- E o que você quer dizer com isso?







Charles- Nada. Foi apenas um comentário.









Fernando- Vamos logo, eu quero correr bastante hoje.









Charles- Está bem.







Charles e Fernando saem. Passa-se quinze minutos e eles voltam.









Charles- Não, hoje não dá, eu estou muito cansado.







Fernando- Vou comer algo na cozinha. Vem comigo?







Charles- Não, pode ir.







Fernando sai pela esquerda. Charles pega uma revista e fica lendo. Ouvimos um barulho de pessoas falando alto. O pano desce rapidamente.










Fim
Poeta

Textos :  A Música Maldita(Sketch XXV)
A Música Maldita(Sketch XXV)
A Música Maldita









A cena se passa em Veneza, no ano de 1985.









Cena Única







Um quarto com uma porta que abre para um banheiro e outra porta que abre para uma varanda. A porta da varanda está aberta. É um dia fresco e límpido de primavera. Romano, um jovem de cabelos escuros e pele morena, olhos castanhos escuros está com um som ligado numa altura que desagrada os ouvidos. Rosa, sua prima, entra no quarto.









Rosa- Per Dio, Romano, você tem mesmo que ouvir música nessa altura?







Romano- Você sabe que só copnsigo ouvir música nessa altura.







Rosa- Ah, Deus, como é difícil morar com você.







Romano- Eu digo o mesmo a respeito de você.







Rosa- Não vai sair? Você não para de ouvir música em casa há três dias.







Romano- Sabe que estou numa pior. Você quer mesmo que eu saia de casa me sentindo tão pra baixo como estou?







Rosa- Não. Eu me preocupo bastante com você.









Romano vai até uma mesinha onde há uma jarra com água e dois copos. Ele enche um copo para si com água e bebe um gole.







Romano- Quer água? Está com sede?







Rosa- Não, acabei de tomar na cozinha.







Romano- Gostaria de ficar um pouco sozinho, Rosa, se não se importa.







Rosa faz um muxoxo, respira profundamente.







Rosa- Está bem, eu volto daqui a algumas horas.







Rosa sai pela esquerda.







Romano- E agora preciso de um banho.









Romano vai até o banheiro, fecha a porta e ouvimos ele abrir o chuveiro e começar a cantar o hino da Itália. Uma voz de um vizinho começa a chamar Romano, mas ele não escuta. O pano desce rapidamente.







Fim
Poeta

Textos :  Nada Para Fazer(Sketch XXIV)
Nada Para Fazer(Sketch XXIV)
Nada Para Fazer





A cena se passa na Argentina, no ano de 1910.





Cena Única




Uma sala decorada com cores vermelhas berrantes. Em dois sofás estão sentadas Aline e Amanda. Elas estão totalmente entediadas.




Aline- Mais um dia na pasmaceira, hein, Amanda?




Amanda- Pois é. Mais um dia sem nada para fazer.





Aline- Creio que vamos achar algo para fazer.




Amanda- Não creio nisso. Não tem nada mesmo para fazer.




Aline- Devíamos ir ao parque, não acha?




Amanda- Não. Hoje está um péssimo dia para ir ao parque.




Aline- Ah, não fale assim, você sabe o quanto o parque está todo dia belo e agradável.




Amanda- Isso na sua concepção. Na minha todas as terças-feiras aquele parque é horrível.




Aline- Vou chamar Emerenciana para nos trazer alguns biscoitos. O que acha?




Amanda- Acho uma boa ideia.




Aline pega um sininho e começa a tocá-lo insistentemente. Emerenciana, a criada, aparece na sala.




Emerenciana- Sim, senhora?





Aline- Traga-nos aqueles biscoitos amanteigados, por favor.




Emerenciana faz uma mesura e sai.




Amanda- E como vai o seu relacionamento com o Josh?




Aline- Péssimo. Eu e ele estamos brigando feito cão e gato.




Amanda- Você precisa ser menos agressiva e um pouco mais compreensiva, Aline.




Aline- Eu sei. Eu tento ser assim, mas eu não consigo.






Amanda- Ah, consegue, claro que consegue. Você precisa se esforçar mais.




Aline- Mas e você e seu namorado?




Amanda- Ele viajou. Eu já tinha te contado isso?




Aline- Acho que sim. Não me lembro bem. Viajou pra onde?




Amanda- Portugal. Não me lembro a cidade.




Aline- Tomara que ele não fique lá por muito tempo, não é mesmo?




Amanda- Sim, também espero...




Aline- Já sei o que podemos fazer.




Amanda- O que?




Aline- Podemos fuçar um pouco no quarto do meu irmão. Ele também está viajando e queria ver o que tem dentro do quarto dele.




Amanda(levanta do sofá)- Excelente ideia, Aline! Vamos logo.




Aline se levanta do sofá. Ela e Amanda sobem uma escada. Ouvimos as duas conversando e rindo. O pano desce rapidamente.





Fim
Poeta