Poemas :  Têmis(Deuses e Homens, página 4)
Têmis(Deuses e Homens, página 4)
Têmis(Deuses e Homens, página 4)




Oh, tu, deusa da justiça,
Cria neste mundo que
Tanto precisa a verdadeira
Justiça, que as leis sejam
Estudadas e praticadas
Por todos os homens.




Este mundo carece de
Justiça, tu bem o sabes,
Precisamos de ti, ó deusa
Que preside a justiça e
O equilíbrio e que sempre
Terá diante de si o justo.
Poeta

Poemas :  O Choro Persistente(Astris et Luna, página 29)
O Choro Persistente(Astris et Luna, página 29)
O Choro Persistente(Astris et Luna, página 29)





Era um choro persistente, terrível,
Muitos vizinhos reclamavam daquele
Bebê que não parava de chorar.
Tudo estava bem com ele, mas
Ele chorava sem parar por horas.
Pobre bebê que só incomodava a
todos.





Ele com muita força foi diminuindo
Aquele choro chato e persistente.
Ele chorava agora só para comer
Ou quando estava de fato sujo.
O choro persistente era apenas
Uma fase de um bebê belo.
Poeta

Poemas :  Make Love, Not War(Astris et Luna, página Dezoito)
Make Love, Not War(Astris et Luna, página Dezoito)
Make Love, Not War(Astris et Luna, página Dezoito)



Make love, not war, esse era
O lema dos hippies, almas
Que alcançaram uma certa
Sabedoria espiritual... Ao fazer
Guerras negamos o amor
Dentro de nós e alimentamos
o ódio.




Ah... Os Hippies sabiam bem
Como o amor pode ser uma
Alavanca de progresso, nossa
Era deve ser de amor em todos
Os níveis e que ele seja profundo,
Belo e nos traga a iluminação!
Poeta

Poemas :  O Filósofo de Madrid(Astris et Luna, página 13)
O Filósofo de Madrid(Astris et Luna, página 13)
O Filósofo de Madrid(Astris et Luna, página 13)




Ele tinha na mente apenas
Duas filosofias a seguir: Uma
Era o estoicismo e a outra era
A filosofia de Nietzsche... Como
Duas filosofias tão diferentes
Uma da outra estavam em
sua mente?





Ele adorava as duas filosofias e
Ensinava-as para as pessoas
Que estavam dispostas a aprender...
Ele lia de tudo, mas tinha uma
Crítica feroz e terrível, mesmo
Com Nietzsche... Ele era um filósofo
Que gostava do correto e da qualidade.
Poeta

Poemas :  Noites Tranquilas(Astris et Luna, página 10)
Noites Tranquilas(Astris et Luna, página 10)
Noites Tranquilas(Astris et Luna, página 10)



Noites tranquilas são bênçãos
Que o Universo entrega para
Aqueles que mais precisam...
A tranquilidade é o descanso
Da alma que tem muitas
Coisas para ver, fazer e ser.



Noites tranquilas devem ser
Aproveitadas, pois elas são
Presentes que o Universo
Dá... Oh! Não te deixes de
Fruir as maravilhas das
Noites tranquilas que se
abrem no horizonte!
Poeta

Poemas :  Se o Amor fosse uma Cor(Astris et Luna, página 7)
Se o Amor fosse uma Cor(Astris et Luna, página 7)
Se o Amor fosse uma Cor(Astris et Luna, página 7)




Ah! Se o amor fosse uma cor...
Ele seria roxo, a cor dos visionários,
Dos paranormais e da espiritualidade.
Ele tem todos os atributos da
Espiritualidade e paranormalidade.
Ele é profundo, largo e mágico.




Dele vivemos todos os milagres
Que ele nos dá, nele vivemos
Criamos magia e atos mágicos...
O amor é roxo e tem todos os
Seus atributos, essa cor bela
Merece ser dada ao sentimento
mais nobre do mundo!
Poeta

Poemas :  Mitomania(O Piano Verde, página 33 e última)
Mitomania(O Piano Verde, página 33 e última)
Mitomania(O Piano Verde, página 33 e última)




A verdade e a mentira confundem-se
Na mente deste mitômano... Tudo
Que é verdade é mentira e a mentira
Que deve ter a voz final sobre toda
A vida. Céus! Como trocar a doce
Verdade pela mentira cruel e horrível?




Tudo deve ser mentido, nada deve passar
Pelo escrutínio da verdade... Mas por que
Ele ainda pode falar a verdade e não a diz?
Ele ainda conhece a verdade, mas prefere
Em seus lábios conspurcados entregar-se
À mentira fantástica, hedionda e assassina!
Poeta

Poemas :  O Silêncio na Rua América(O Piano Verde, página 23)
O Silêncio na Rua América(O Piano Verde, página 23)
O Silêncio na Rua América(O Piano Verde, página 23)




Era uma rua silenciosa, sempre,
Vinte e quatro horas por dia e
Sete dias por semana, nenhum
Barulho era feito nela, muitos
Consideravam-na amaldiçoada,
E outros apenas tranquila.




Não era amaldiçoada, nem tranquila,
Aquela rua precisava mesmo de um
Tempo de silêncio, pois no passado
Ela era agitada todos os dias.
Ela estava em seu "pralaya" e nada
Tirá-la-ia daquele descanso divino
e mágico.
Poeta

Poemas :  A Morte de Robespierre(O Piano Verde, página 6)
A Morte de Robespierre(O Piano Verde, página 6)
A Morte de Robespierre(O Piano Verde, página 6)




O grande Robespierre com suas
Convicções herdadas da Revolução
Francesa morrerá na guilhotina.
Ele que levou tantos homens,
Mulheres e outros a esta
Prática nefasta agora prova
ele mesmo.




Ele não tem medo diante da
Morte, como poderia um
Revolucionário que não crê
Em nada além de si mesmo
Temer a morte? Ele perde
A cabeça, mas com honra
Sente-se livre da Terra!
Poeta

Poemas :  O Saxofone Elegante de Clerkenwell(DarkTower, página 22)
O Saxofone Elegante de Clerkenwell(DarkTower, página 22)
[i]O Saxofone Elegante de Clerkenwell(DarkTower, página 22)



De seu saxofone brotavam notas
Puras e maravilhosas, ele tocava
Com toda a sua alma e espírito!
Céus, como ele poderia ter um
Talento tão transcendente e
Maravilhoso em uma curta vida?



Seu talento vinha de sua dedicação
Ao saxofone, ele que sempre se
Esmerará ainda ia ver os frutos
De seu trabalho laborioso...
Ele era paciente e sabia que
Chegaria o momento de seu
reconhecimento merecido.[
/i]
Poeta