Poemas :  Indriso I(Tempestade)
Indriso I(Tempestade)
Era uma tempestade terrível,
Forte e totalmente catártica,
Era também uma tempestade feia.


Os sonhos e pesadelos terríveis
Desfaziam-se em sigilosas preces
Que eram entoadas por monges.


Mas a tempestade era uma benção.



Pois tinha tudo que precisava e ainda mais!

Poeta

Poemas surrealistas :  Gaivota
Gaivota
Voa rápido
Pássaro-meteoro
Nunca deixa
Um pouso vertical

Futuro malfadado é
Teu caminho
E cometa visionário


É teu espaço.
Poeta

Poemas de amor :  Se de Ti, Amor, Falo, É Porque a Ti Venero
Se de Ti, Amor, Falo, É Porque a Ti Venero
Se de Ti, Amor, Falo, É Porque a Ti Venero







Nas estrelas rápidas e cintilantes, que de
Extremosa beleza se vai acercando,
Eu desejo em meu coração a ti
Venerar, Amor, em ti desejo
Aquele sacerdócio antigo esquecido.



Se de Ti Amor, Falo, é que minha lira
Está desejosa de venerar teu santuário,
Ela deseja que em ti todas as coisas
Façam-se perfeitas e deleitosas.




Mas minha lira se vai acercando ao
Pessimismo de minha mente, acaso
Ela estará segura em ti Amor?




Que minha voz possa ser ouvida,
Que minha mente possa cantar
A Ti, Amor, todas as tuas benesses
Fecundas e benfazejas.




Se de Ti, Amor, falo, é porque minha
Voz precisa atravessar os séculos em
Poemas e canções que só a Ti, Amor,
Eu posso ter a plena felicidade de
Cantar em versos teu amor bendito!
Poeta

Poemas :  Franceses Versus Alemães
Franceses Versus Alemães
[i]I










Ruas bombardeadas no poético ano
De 1870, os prussianos avançam
Sobre a cidade conquistando cada rua,
Casa e cada pessoa, nos uniformes cinzas
O resplendor da vitória prussiana.


A águia teutônica flamula sobre os
Campos de Marte, a velha e delicada
Torre Eiffel cai diante das botas prussianas.


Ah, bela cidade que eleva os sentidos
De sonhos a milhões de almas!
Belos destroços em ti são pisados
Com firmeza pelo inimigo de milênios!



II




Os poilus sujos e abatidos
Caem na batalha com baionetas
Velhas, mas que ainda furam a velha
Carne... Gritos malditos ecoando
Naquelas trincheiras ensurdecidas
Por canhões e bombas dos grandes
Alemães, mas a língua francesa leva
Cada ato da batalha a um novo nível
De humanidade, desejo de vitória, e a
Cessação da pior hostilidade humana imaginada.



III


Contrastes de modos e linguagens, aquele
Alemão de fala rústica leva cada sentimento
No peito como uma fortaleza intransponível.
Nos alto voos filosóficos abstratos o alemão
Vê sua vida como uma forma entrelaçada que
A linguagem não pode explicar, no qual seu
Espírito mora sempre unido.



Aquela alma sedosa, fresca, delicada,
Aquela alma que bebe as sensações do
Gosto e prazer não consegue lidar com
Aquela sensação crua e mal preparada.



Ela sempre se afastará daquele germanismo
De duras poses, de duros golpes e de linguagem
Que move os ouvidos para um inferno em que
Todas as palavras são uma faca dilacerante aguda.[
/i]
Poeta

Poemas de amor :  Se de Ti, Amor, Falo, é Porque a Ti Venero
Se de Ti, Amor, Falo, é Porque a Ti Venero
Se de Ti, Amor, Falo, É Porque a Ti Venero







Nas estrelas rápidas e cintilantes, que de
Extremosa beleza se vai acercando,
Eu desejo em meu coração a ti
Venerar, Amor, em ti desejo
Aquele sacerdócio antigo esquecido.



Se de Ti Amor, Falo, é que minha lira
Está desejosa de venerar teu santuário,
Ela deseja que em ti todas as coisas
Façam-se perfeitas e deleitosas.




Mas minha lira se vai acercando ao
Pessimismo de minha mente, acaso
Ela estará segura em ti Amor?




Que minha voz possa ser ouvida,
Que minha mente possa cantar
A Ti, Amor, todas as tuas benesses
Fecundas e benfazejas
.



Se de Ti, Amor, falo, é porque minha
Voz precisa atravessar os séculos em
Poemas e canções que só a Ti, Amor,
Eu posso ter a plena felicidade de
Cantar em versos teu amor bendito!
Poeta

Poemas :  Três Poemas à Afrodite
Três Poemas à Afrodite
Três Poemas a Afrodite





I



Tu, Citeréia, és a grande nutriz do amor
Entre homens e mulheres, tu, entre todos
Os deuses és a que mais os humanos acorrem
Desesperados ou em êxtase!



Citeréia loura e bela! Tuas flechas são dardos
Enfeitiçados nas poções do amor e da paixão,
Tuas setas são amores variados nos corações
Humanos que sempre amam por teu desejo!





II



Da espuma do mar nasceste, e já em teu nascimento
Miraculoso tu amavas a Criação toda, a Criação
Curva-se diante de vossos desígnios maiores...



Citeréia maravilhosa e incrível, teu casamento
Foste o grande idílio jocoso dos deuses, teu marido
Não é mais do que um bobo em teu séquito.



Teus amores explodem como estrelas no céu,
Debtro de ti o amor se consome rapidamente
Como um fogo abrasador, e dentro de ti o amor
É a grande natureza que a Criação deve sentir!



III



Nos amores e paixões, tua mestria é inabalável
Oh grande nascida do mar! Teus caprichosos olhos
Contemplam a natureza amorosa e sedutora dos
Mortais...


Nos amores nascidos nos corações humanos, tua
Presença será divina e magistral, teu cetro de rainha
Governará os corações humanos enquanto os amores
Forem sentidos naqueles corações que nunca se cansam
Da magia divina do amor!
Poeta

Cuentos :  Assistindos dois Programas Estranhos(Miniconto)
Assistindos dois Programas Estranhos(Miniconto)
Assistindo dois programas estranhos



Marcos adorava tudo que era diferente. Ele simplesmente não conseguia viver sem nada que era considerado totalmente diferente. Suas coleções eram todas consideradas pelos poucos que haviam visto muito inusitadas. Mas ele adorava acima de tudo programas que eram considerados estranhos demais. Certa vez, ele vira um vídeo na internet que era considerado estranho. Um vídeo de uma menina que estava praticamente possuída, mas que não se via quase nada do rosto dela. Era uma predileção tão grande, que ele ainda preservava antigas fitas com vídeos curtos e não tão curtos sobre tudo que hoje chamamos de estranho, ou alguns chamam de fringe. Ele não se sentia nenhum pouco estranho, ou mesmo isolado, pois ele sabia que mais e mais pessoas estavam começando a se interessar por todos esses assuntos. Marcos começara a assistir dois programas em uma rede da dark web. Um deles se chamava Knives in red, que mostrava alguns assassinatos e algumas relações estranhas que as pessoas podiam ter com armas brancas.

Poeta

Poemas de tristeza :  Orestes e Electra
Orestes e Electra
Dois irmãos compartilhando a dor
Da perda do mais astuto e valoroso
Herói de guerra, as almas dos
Filhos suspiram e clamam por vingança.

- " Meu irmão, acaso nosso pai vagará
Pelo Hades sem ter a certeza de
Que a sua morte foi vingada?
Estará em paz sabendo que um
Vil e abjeto homem conspurca
Seus lençóis com a mais baixa lascívia?

- " Electra, minha adorável irmã, tu
Sabes o quanto me dói ser o criminoso
Da mulher que me carregou em seu
Próprio ventre, a qual falei as
Primeiras palavras balbuciantes,
A mulher que me deu princípios e valores.

Oh deuses, por que não posso observar
Essa tragédia em casa alheia? Por que
Devo manchar as mãos de sangue fraterno?

Os dois irmãos reconhecem a dor,
A maldade, o crime e a morte
Através daquela mulher que fingiu
Receber seu marido em alta conta
Logo tirando seu fôlego de vida brutalmente!
Poeta