Default
  • Blank.gif
    POETA
    Poemas, frases y mensajes sobre poeta
  • Blank.gif
    Marcos Loures
    Poemas, frases y mensajes sobre marcos loures

Poemas, frases y mensajes sobre POETA

Selección de poemas, frases y mensajes más populares sobre POETA


Pregando uma vida simples

Pregando uma vida simples
Vivo pregando uma vida simples,
porque vivo uma vida simples.
Mas eu levo uma vantagem enorme
sobre os outros mortais:
A minha vida é cheia de poesia.

Então eu tenho o sol,
tenho a lua, tenho o vento...
Tenho esse céu imenso
que me faz viajar.

Quando a coisa “está braba”,
eu consigo sonhar.
Quando quero respirar,
sento-me para escrever.

É... A minha vida
não é tão simples assim,
não é mesmo?
Vou parar de pregar
esta “besteira”.

A.J. Cardiais
imagem: a.j. cardiais

Hora do poeta

Hora do poeta
Dos poetas famosos,
eu quero ler,
o que não sei
escrever...

Faço o que faço,
sem saber...
Isto me dá um poder
de inocente.

A.J. Cardiais
18.12.2014

Ópera da vida

Cada pessoa tem seu papel
neste imenso teatro...
Um vai ser camelô,
outro é comerciário...
Um vai ser aviador
e o outro ferroviário...

Um se passa por poeta,
outro diz que é atleta,
e o outro grita que é ator.
Logo chega um cantor,
com o seu vozeirão,
querendo chamar a atenção...

Todos nós somos atores,
nesta imensa ópera
chamada vida...
Estamos sendo filmados
por uma câmara escondida.

Estamos sendo observados,
estudados e avaliados.
Nosso Diretor está lá em cima.
Quem errar a cena,
vai ter que repetir
até ficar bem na fita.

A.J. Cardiais
20.04.2010

Sou poeta, e daí?

Não quero saber descrever
sobre uma cadeira vazia...
Quero sentir a poesia,
que nem todos podem ver.

Não quero “fazer e acontecer”
com a palavra,
e muito menos fazer dela
a minha escrava.

Quero deslizar sobre a poesia...
Mergulhar nesta filosofia,
e poder dizer:

Sou poeta, e dai?
Não tenho bens materiais,
só tenho bens culturais.

A.J. Cardiais
01.06.2015

Espíritu Errante

Espíritu Errante
Uno espera, que sus trabajos sean poéticamente elegantes, a veces lo logramos otras no.
El cesto de basura está lleno de bollos de papel, con escritos sin terminar.
En ellos hay lágrimas y sonrisas que no tienen sentido, ni lloran ni ríen.
Son pequeños estados que no terminan de florecer, que no tienen un final.
Es el querer tal vez ser más de lo que uno puede ser, es creer que podemos.
Pero tal vez solo seamos un espíritu errante, entre tinta y papel blanco.

Por Conrado Augusto Sehmsdorf (Kurt)
[img width=300]http://m1.paperblog.com/i/416/4163798/caminando-solo-L-Qq4QkL.jpeg[/img]

Alma de Poeta

Alma de Poeta
Alma de Poeta, corazón de papel
Noches de pasión, volcadas en poemas
Rosas y claveles, aroma del amor
Almohadas mojadas, perfumadas de mujer
Besos profundos, caricias y piel
Miradas cómplices, de jóvenes amantes
Alma de poeta, corazón de papel.

Por Conrado Augusto Sehmsdorf (Kurt)

[img width=300]https://rosatel.co/1692/rosas-y-claveles.jpg[/img]

Poesia X dinheiro

Poesia X dinheiro
O poeta nunca tem dinheiro...
O poeta só tem a vida
e a poesia.

A vida como passatempo
e a poesia
como companhia.

É uma heresia
querer usar a poesia,
só do lado financeiro.

Poesia não lavra dinheiro.
Poesia lavra conhecimento.

A.J. Cardiais
imagem: google

Sudar un monstruo errante

Sudar un monstruo errante
Yerra quien cree que la función del poeta es hacer poemas
Cualquier idiota reúne versos en estrofas
La función del poeta es modificar el aliento de su interlocutor.
"Clap clap clap la cogida"
hmmm, ai ai "
"La poesía !!!"
Si el poema no modifica la respiración
Probablemente esto es botella de la medicina
Y no me des que tontamente como el cep20000
No me des!
La poesía no es acerca de la separación silábica y métrica
Tiene que ver con:
aliento
expiración
inspiración
aliento
expiración
transpiración

Rio de Janeiro, 16 de Dezembro de 2015, dedicado ao poema Temperatura de Paulo Emílio

A meta do poeta

A meta do poeta
Não pergunte ao poeta
onde ele quer chegar,
porque sua meta
está em qualquer lugar...

Às vezes ele não quer ir
a nenhuma parte.
Ele só quer descontrair,
brincando com sua arte.

A.J. Cardiais
imagem: google

Epitáfio

Antes de qualquer coisa, sou poeta...
Antes de qualquer trabalho,
antes de qualquer penduricalho,
sou poeta...

Adapto-me,
acomodo-me,
aquieto-me...
Mas continuo poeta.

O meu olhar, o meu sentir,
o meu viver, é de poeta.
Não quero tocar a lira,
porque outros poetas tocaram.
Não quero ganhar objetos,
porque outros poetas ganharam...

O que eu mais queria ganhar
para me identificar,
eu já ganhei: foi a estrada.
Só espero que ao finda-la,
quando me colocarem na vala,
escrevam na minha lápide:
aqui jaz um poeta.

A.J. Cardiais
09.03.2019

EL CORAZÓN DEL POETA

EL CORAZÓN DEL POETA
Estar muerto sería mejor, creo…
Porque al menos ya me encontraría
Si no en el purgatorio, en el mismo infierno
Pagando las condenas de mis acciones viles…

En cambio aquí sin ti
Ni cielo ni infierno me acontecen
Es vagar de cara al infinito
En busca de la estrella que ya no brilla mas.

Ya no disfruto de los copos de algodón
Taciturnos por el cielo, grises en su agonía
Aquellos mismos copos
Que sonrientes, por las tardes nos mojaban.

Pero te siento muy cerca de mí
En cada latido de mi corazón
En los hondos suspiros que exhala
Mi pecho compungido.

Cuéntame de tus andares
De tus ojos malagueños
De tu boca de frambuesa
Y de tu dulce mentón de cereza.

No te será difícil acercarte a mí
Total es como lo dijiste: tienes el amor
Tienes el poema y tienes al poeta;
Pero sobre todo tienes… ¡El corazón del poeta!

Delalma
28/08/2012 01:20:11 p.m.

Luego del Poema

[img align=center width=400]https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRGQJyesIbt2FCegPNjPgSs3WGNIUKJHHoZdaDV4r9P-9xrmxT4wg[/img]
Luego de escribirlas, estrofas,
junto a esta pluma a mi lado dormida,
con el matiz de unas letras ahora partidas
me indago, poema, con quien filosofas.

De que si el cielo es de alborada
o si ya ha desfallecido,
que si fue gozo o graznido
tanto ruido a tinta desatada.

A quien impregnas, poema.
Quien se arriesga a mi lado
a tronchar algún sueño cansado,
a escorcharle por fin el floema.

Es el periplo hasta un nuevo trazo:
en un remanso los dos aplacados,
o atormentadamente desquiciados.
Dos almas desconocidas, junto a un retazo.

©Gustavo Larsen, 21/08/2013

Capa de poeta

Capa de poeta
A minha capa de poeta
não me protege
do frio do medo...
Antes, revela meu segredo.

A minha capa não me cobre...
Antes, não quer que eu me dobre
a certas situações da vida.
A minha capa é indefinida:

Não é capa, é cruz.
Não é sombra, é luz.
Não é nada e sendo...

E, em cima ou
embaixo da capa,
eu vou vivendo.

A.J. Cardiais
imagem: google

Manga al viento

Manga al viento
[img align=center width=450]http://i1003.photobucket.com/albums/af156/AliFishGMT/b468728b.jpg[/img]
Tus padres comían de tus sobras.
Su sangre se secaba en el hormiguero de asfalto.
Pero una mañana, un sabio decoró tu sombrero de paja
con una pluma de pavo real. Te crecieron espolones.
Hablabas por los círculos con voz de jilguero macho,
pero como manga al viento
empezaste a seguir el curso dominante.
Quisiera pedirte que te tiznes el rostro
con las cenizas de tus cunas, la natal y la literaria.
Que explotes cuando lleguen los bufones de la radio
y les vueles los dientes con un verso inesperado.
Así algún día, en una curva muy alejada de tus tiempos,
exhumarán tus hojas más irreverentes.
Serás por fin una tinta de avanzada,
reñirán por darte la crítica más sesuda
y tú dormido, te reirás oyendo todo ese torrente,
esos eruditos diciendo ahora ellos lo que un cardumen,
lo que una manga al viento.
©Gustavo Larsen, 06/01/2013

Poeta X realidade

Sempre levei uma vida
de história em quadrinho:
às vezes sou o bandido,
às vezes sou o mocinho.

Muitas vezes passo escondido,
fugindo da malvada realidade.
Ela vem com sua voracidade
tentando destruir meus sonhos.

Mas sou um poeta destemido
e não me entrego facilmente...
Imponho um duelo diferente:

Já que ela quer duelar comigo,
deixo ela de castigo,
e procuro ficar ausente.

A.J. Cardiais
25.01.2011

Ao poeta desconhecido

A poesia precisa de você,
assim como a Natureza
precisa do anum preto:
pássaro desprovido
de qualquer beleza,
inclusive de canto.

A poesia precisa de você,
como o céu precisa das nuvens,
para formar e reformar
este lindo manto.

A poesia precisa de você,
para somar...
Somando-se um, mais um, mais um,
a poesia nunca vai parar.

A.J. Cardiais
11.03.2010

Entre papel arrugado.

Entre papel arrugado.
Un viejo poeta alado
Que vuela la tumba helada
Siente que tiene clavada
Las garras de lo creado.

Escribe un poema amado
Por su musa que inspirada
No es real, es inventada
Claro oscuro apasionado

Entre papel arrugado
Escritos que no son nada
En arcones arrumbado

Vaga su don escoltado
Por su rima desgarrada
Vieja herida del pasado.

Por Conrado Augusto Sehmsdorf

[img width=300]https://img-aws.ehowcdn.com/877x500p/photos.demandstudios.com/getty/article/34/115/78031354.jpg[/img]

Poema – o surto do poeta

Um poema não diz tudo sobre o poeta...
Mas diz sobre seu momento,
sobre sua nuvem cigana,
sobre seu pé de vento...

O poema é o surto do poeta.
Ele mostra este surto,
quando escreve loucura,
e quando rasura
a realidade.

O poeta na verdade,
é um "maluco beleza".
E para ter certeza
que vive a realidade,
passa tudo pro poema.

A.J. Cardiais
18.10.2015

Entre espadas e cruzes

O poeta quando se perde
no meio dos sonhos,
enfrenta pesadelos
medonhos...

Frutos da sua imaginação,
frutos da situação
frutos dos seus desejos
frutos dos seus medos
de nada mudar...

O poeta quer encontrar
o caminho das luzes,
para clarear as ideias
dos que vivem entre
espadas e cruzes.

A.J. Cardiais
18.01.2010

Artesão de ideias

Artesão de ideias
Não sou poeta de gabinete...
Vivo pongado no dia a dia,
recolhendo os fatos.

Como os garis recolhem o lixo,
eu fico recolhendo
os entulhos das ideias,
para fazer reciclagem.

Ideia pouca é bobagem,
nas mãos de um artesão
popular...

São pedacinhos de letras,
que se tornam anéis;
são contas não pagas,
que se tornam gargantilhas...

São tantas ideias simples,
desprezadas
pela sociedade burguesa...

E o artesão vai recolhendo
uma por uma...
No final do dia,
o poema está na mesa.

A.J. Cardiais
imagem: google