Sonetos :  As coisas possíveis
Numa parede é possível conter
uma obra de arte...
Uma parede quando parte,
deixa cair montículos de rimas.

Paredes: obras primas
do pedreiro,
que ganha dinheiro
construindo casas.

Uma parede ganha asas
sob o olhar do poeta,
que vê além da estética...

Mas o poeta é um louco,
que vê num reboco
uma imagem poética.

A.J. Cardiais
24.07.2016
Poeta

Sonetos :  Causa poética
A madrugada me seduz...
Fico como uma mariposa:
rondando a luz,
em busca de alguma coisa.

Pode ser um par de rima.
Uma embaixo outra em cima
deixa meu soneto rimado,
mas nem um pouco "alinhado".

Soneto alinhado tem métrica,
rima dentro do padrão
e, às vezes, nenhuma emoção.

Em nome da causa poética,
navego numa poesia eclética
dirigida pela intuição.

A.J. Cardiais
07.10.2016
Poeta

Sonetos :  Além do olhar
A poesia me faz enxergar
muito além do nosso olhar.
Quem só enxerga o que vê,
não conseguirá entender.

Quem só enxerga a razão,
não sentirá emoção
ao ver alguma coisa
que não tem explicação.

Às vezes a poesia é direta,
quando o poeta tem uma meta
e não está para brincadeira.

Quem não tem alma de poeta,
diz que poesia não presta
e que é tudo uma besteira.

A.J. Cardiais
03.10.2016
Poeta

Sonetos :  Vida e morte
Escorrego da saudade,
do tempo de vagabundo,
quando eu corria o mundo
em busca de felicidade.

A sensação que me invade,
é que não perdi meu tempo
buscando enriquecimento
no seio da simplicidade.

Hoje um prazer me devora,
quando olho para o passado:
eu vivi um bocado...

E ainda insisto em viver!
Mas, chegando minha hora,
estou preparado pra morrer.

A.J. Cardiais
07.10.2016
Poeta

Sonetos :  História irreal
Bebo um gole de poema
e me embriago.
Fumo um verso, trago,
mas não trago nada à tona...

Aí o poema me abandona,
me deixa na mão...
O que fazer,
com esta situação?

Uma interrogação entra,
pela minha venta,
e vai cobrando um final.

Poeta é um ser anormal
que, quando divaga inventa ,
uma história irreal.

A.J. Cardiais
24.07.2016
Poeta

Sonetos :  Luz pequena
O poeta vê o poema
nos pés sujos de barro,
na poeira do carro
ou nos olhos da morena.

O poeta é uma luz pequena,
como a de um vaga-lume.
Mas, como é de costume,
quer iluminar uma arena.

Leva sua vida acenando
para algo impossível.
E assim vai rimando.

O poeta é um ser incrível:
quando está poetando,
se acha inatingível.

A.J. Cardiais
09/02/2013
Poeta

Sonetos :  Soneto dolorido
Eu não queria falar de dor...
Mas como não falar,
se é o que me acontece agora,
e que me devora?

Tento ocultar esta fase,
enrolando a ideia com gaze...
E me penitencio
fazendo silêncio.

Mas a dor é mais forte
e faz no silêncio um corte,
de onde jorra um soneto...

É um soneto dolorido,
que escorre do meu peito,
e deixa o povo comovido.

A.J. Cardiais
03.08.2016
Poeta

Sonetos :  No couro
Às vezes, de madrugada,
a realidade me mete medo...
Me assusta um bocado.
Então fujo pro mundo dos sonhos.

Eu não faço segredo
de que sonho até acordado...
Sonhar me mantém vivo.
É minha forma de resistir...

Acho que foi por isso
que cheguei até aqui:
62 anos no couro.

Não digo 62, na alma também,
porque minha alma não diz
a idade que tem.

A.J. Cardiais
31.08.2016
Poeta

Sonetos :  A bondade de Deus
Deus não se vinga
de quem blasfema.
Deus não é poema
para ser declamado.

Deus quer ficar guardado
dentro do nosso coração
e, no momento adequado,
sair para ajudar um irmão.

Deus não tem preconceito.
Ele quer ver o respeito
reinando entre os seres.

De todos os “deveres”,
amar a Deus é o mais perfeito,
porque iguala os prazeres.

A.J. Cardiais
01/10/2012
Poeta

Sonetos :  Dominus tecum
O que há de vir, virá.
Como a noite vem escura,
como esta moldura
que acabo de exibir...

Como o elixir
que serve pra loucura,
como a candura
de um poderoso sorrir...

Tudo de bom
há de vir,
se você deixar.

Tem tudo de bom no ar...
Mas tem também
tudo de pior que há.

A.J. Cardiais
28.02.2010
Poeta